sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Chupeta

Bom dia meninas!

As chupetas, demos chupeta a Livia após uns 20 dias de nascida, demos não, minha mãe deu, eu não queria, mas acabei sendo convencida e meu esposo não queria de forma alguma e ao vê-la  de chupeta ficou bem contrariado. Porém a chupeta nos serviu, acalmou quando precisou, nos trouxe acalento no desespero. Livia soube dosar bem o uso, a noite após dormir soltava e nunca foi apegada a chupeta durante o dia.
Quando ela completou um ano falei em tirar, meu esposo foi contra, assim como algumas outras pessoas que comentei, então cedi e deixei ela com a chupeta, porém após meu esposo ficar desempregado e a passar a cuidar dela, Livia ficou super apegada a chupeta, pedia o tempo todo, conversei com ele, Ma passou a tentar distrai-la e não oferecer com tanta frequência, porém vi Livia que já estava maior, com maior entendimento, se apegando a algo que poderia me dar trabalho para tirar e já se fazia hora de tirar.

Dezembro, domingo, canal aberto, TV Record, passava uma reportagem das chupetas deixadas em uma árvore de São Paulo, por pais que ali as deixavam com os filhos, para incentiva-los assim a deixar de chupar a tal chupeta, convidei a Livia a assistir a reportagem. A árvore de Natal já estava montada na casa de minha mãe e entre uma brincadeira e outra ela falou que deixaria a chupeta na árvore de Natal, aproveitei e falei isto mesmo filha deixe aí que Papai Noel lhe deixará um pirulito, ela tinha 9 chupetas, mas nunca se deu conta que eram tantas e aquela uma deixada seria o suficiente, após sairmos minha sobrinha tirou a chupeta da árvore, colocou o pirulito. A primeira noite ela pediu, chorou um pouco, rolou na cama de um lado para o outro até que foi vencida pelo cansaço e adormeceu, a segunda noite já foi mais fácil e uma semana depois ela já tirava de letra, na soneca da tarde os três primeiros dias não conseguiu dormir a tarde sem a chupeta, passou o dia todos acordada e o cansaço ajudava ela a dormir sem a chupeta a noite, quando ela na madrugada choramingava e pedia eu acalmava.
Após Geovanna digo Papai Noel deixar o pirulito na árvore Livia chegou no dia seguinte na minha mãe, após eu mostrar vídeos a ela de Papai Noel, ficou radiante quando procurou e achou o pirulito na árvore, ficou feliz da vida, aí Papai Noel começou a fazer sentido e ela passou a entender quem seria este bom velhinho que inspira os natais infantil e adeus as chupetas e como grande recompensa Papai Noel digo mamãe e papai entregou lhe no Natal uma bicicleta que ela pediu, ela não viu o Papai Noel durante a noite de natal, mas ele passou e deixou seu presente!








quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Desfralde

Bom dia meninas!

Hoje vim deixar relatado as saídas das fraldas.
Era setembro, tinha apenas mais um pacote de fraldas do último lote comprado e decidi que ele acabando não iria comprar mais e Livia seria inserida no desfraldar, dia 01 de setembro completou dois anos e 18 de setembro declarei definitivamente não colocarei mais fraldas em você Princesinha, tínhamos pinico musical, dois assentos redutores estofados com teminha infantil e era colocar em prática, com meu esposo estava desempregado e em casa com ela deixei toda a teoria do desfraldar com ele para ser colocado em prática.

Confesso que pensei que seria mais fácil, mas tivemos muita paciência, que exercício se paciência não kkkkk. Era hora no pinico, hora na roupa, alternava durante o dia, mas estávamos indo muito bem, apenas achei que seria um processo mais rápido, coisa de 15 dias e ela estaria treinada, porém não é, leva meses ou o tempo dela foi meses. Muitos né diziam ela é muito pequena, porém insistir, se a fralda a incomoda, ela não se sente bem com ela é o momento, ela já sabia quando estava fazendo xixi, era treinar controlar para dar tempo de chegar no pinico, assim não desisti seguindo o apoio que minha mãe e meu esposo nos dava.

Quando Lívia ficou os quatro dias sento cuidada por outra pessoa quando meu esposo voltou a trabalhar no início de novembro, momento que estava indo muito bem ela regrediu, número dois que nunca havia feito na roupa passou a fazer, foi decepcionante ver que ela estava regredindo apesar de saber que mudanças tem impactos nos processos, aquela mudança a ela de ficar com uma desconhecida estava pensando no psicológico dela e nos avanços e pior era ver que a moça também não tinha a menor vontade de tira lá das fraldas, incentiva lá, pois quando a pegava ela estava sem de fraldas, isto além do fato dela não ter se adaptado foi outro fator que impactou na decisão de não mandar Livia mais a ela.

Livia passa ficar com minha irmã e minha irmã passa a incentiva novamente e nós vamos avançando no processo, quatro meses depois ainda escapa, nos momentos de distração, brincadeira são os que mais escapam, porém controla muito bem, avisa quando da vontade, porém quando vamos sair para longe ainda tenho posto fraldas nela.

No período noturno, mantive a fralda por bastante tempo, mesmo eu percebendo que durante a noite ela não fazia, em dezembro transformamos o berço dela em cama o que facilitava para colocarmos para fazer xixi durante a madrugada, a mocinha está pesadinha e tirei a noturna, há noite que ela pede para fazer xixi e eu a levo, há noite que dorme a noite toda e não pede, porém umas três vezes escapou durante a noite ela acabou fazendo na cama. Eu digo que estamos com o processo 90% encaminhado.

É um exercício de paciência a nós e de aprendizado a eles, mas com persistência chegamos no objetivo no tempo da criança.









terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Momentos do niver de dois anos da Livia

Bom dia!

Em 01 de setembro Livia completou dois anos, comemoramos com um almoço no dia três de setembro para a família e amigos mais próximos, não passou de 30 pessoas. 
Foi na minha casa mesmo, minha mãe preparou uma feijoada e eu organizei a decoração do Show da Luna, docinhos como brigadeiro enrolado e de copinho, beijinho enrolado e de copinho, mousse de maracujá e de morango cerca de 200 docinhos ao total, encomendei o bolo de chocolate e tudo ficou como planejamos. 
Para os adultos a lembrancinha foi um chaveiro com a foto dela e para as crianças uma sacolinha com um cone da casquinha recheado feito por mim, uma caixinha de feira em MDF com balas em formato de frutas, um tubete com mini marchimello e uma bola no formato melancia, fiz 20 sacolinhas e deixei dos mesmos que continha na sacolinha sobre a mesa, diz alguns cupcakes para deixa sobre a mesa também. Fiz um vídeo com os momentos dela é deixei rolando durante a festinha.
Livia estava super a vontade, animada, super receptiva e simpática com todos, encantou. 
Deixo aqui registrado os momentos!

Minha mãe e os cinco netos













Livia aos dois anos





Eu, Livia e Ma


Livia e os coleguinhas

Livia e os padrinhos

Livia, a tia e os primos

Livia é o avô paterno

Os papos realizados

Chaveiro se lembrancinha...Esta mesma arte Show da Livia havia sobre o bolo e no convite.

O outro lado do chaveiro


sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Quem cuida...

De 2017...

Como a partir de novembro de 2016 fui mandada embora da empresa onde eu trabalhava, Livia ficou comigo até que eu retornasse ao mercado de trabalho, isto é, por 7 meses ela ficou sobre meus cuidados. Quando retornei ela voltou a ficar com a moça que cuidava dela desde os cinco meses, porém ficou apenas por uns 20 dia, pois o papai foi mandado embora e cuidou dela por 5 meses, até que novembro de 2017 ele retornou ao mercado de trabalho e Livia precisava voltar a ficar com alguém, porém a moça que sempre cuidou dela não podia mais, pois está esperando bebê.
Tentei deixa-la com uma cuidadora de criança, que cuidou por um bom período da minha sobrinha e minha mãe me indicou, ela ficou apenas quatro dia, sempre que meu esposo a deixava pela manha ela chorava, o agarrava, resistia a ficar, conversamos com ela, porém ela era pontual em dizer que não queria ir, meu esposo a buscava e ela nunca estava feliz, a encontrava isolada, dentro de um berço, sem dormir o dia todos, com chupeta na boca, fraldas, estávamos retroagindo nos processos, até o dia que a vovó foi quem buscou, quando ela viu a vovó, correu chorando deixando tudo para trás, olhos inchados o dia todo, meus dias não estavam fáceis, ver o que ocorria estava mexendo comigo, não conseguia trabalhar, eu chorava, meu esposo estava triste, ela não estava se adaptando, era resistente e retroagindo nos avanços. No dia que minha mãe a buscou foi a gota d'água para eu entender meu esposo que nunca quis deixa lá neste local e para eu tomar a decisão que o muitos chamam de período de adaptação não estava fazendo bem a ninguém.
Não sei o que pode ter ocorrido, já que foram apenas quatro dias, nos dois primeiros foi mais fácil, porém os dois últimos ela era bem resistente, não sei se o fato de desde que nasceu ela esteve sobre os cuidados 100% voltados a ela, já que a moça que a cuidava só cuidava dela e ali agora era muitas outras crianças, mas acreditei que exatamente pelo número a mais de crianças ela se adaptaria bem, mas não ocorreu o que pensei e não sei se foi não se adaptar ou algum problema que ela encontrou. Este dias passávamos na rua e ela viu esta cuidadora, deu tchau, mandou beijinho e quando se sentiu numa distância segura gritou por duas vezes "não quero ficar com você não".
Mas eu não tinha com quem deixa lá, minha irmã vendo a situação se ofereceu a ficar até janeiro de 2018, tempo para eu pesquisar uma escolinha de confiança ou quem sabe ela ser chamada na creche pública onde ela está inscrita desde março/2017.
Então desde o dia 09 de novembro minha Princesinha tem ficado com a titia Gisele, onde ela se sente bem, é muito bem cuidada, tem a companhia da sua melhor amiga a priminha Geovanna e do priminho Davi.

Fotos do nosso ano novo! Eu, Livia, papai, vovó, priminha Júlia e os dindos.